A relação entre saúde emocional e saúde bucal

Tempo de leitura: 3 minutos

0 Flares Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Assim como em nossa saúde corporal, nosso emocional tem capacidade de interferir em nossa saúde bucal. Afinal, é pela boca que nos alimentamos e nos expressamos, por isso, fatores psicológicos têm relação direta com nossos problemas de saúde oral. Nesse ponto entram, principalmente, a ansiedade e o estresse. Quando há um desequilíbrio entre nossa mente e nosso corpo, somos diretamente afetados.

Nosso primeiro contato afetivo é com as mães, por meio da amamentação. Esse contato nos nutre e conforta, além de nos ensinar movimentos de sucção. Esta é a fase em que mais precisamos de proteção e anticorpos.

O próximo passo é a mastigação de alimentos sólidos, que abrem espaço para as brincadeiras de colocar objetos e brinquedos na boca. Assim, temos contato com as primeiras sensações, que são nossa principal forma de aprendizado até os 4 anos de idade, e vamos desenvolvendo nosso paladar.

Ainda quando crianças, criamos o hábito de acalmar nossas ansiedades e medos com o uso de chupetas ou até mesmo os dedos. Essa é uma fase crucial na formação e desenvolvimento da nossa arcada dentária, e essa válvula de escape precisa ser observada para não comprometer nosso desenvolvimento.

FIQUE ATENTO AOS PROBLEMAS BUCAIS

De certa forma, nossa boca recebe o reflexo de problemas cotidianos e de nossas emoções. O estresse e a ansiedade podem, por exemplo, nos afetar e causar gengivite, bruxismo e o hábito de roer unhas ou a parte interna das bochechas.

Esses comportamentos também podem desencadear dores de cabeça, proliferação de bactérias, desgaste nos dentes, problemas no pescoço e dores na coluna. Outros problemas conhecidos também são o mau hálito, aftas e cáries, por conta da possível diminuição de saliva.

FIQUE ATENTO!

O cansaço, o estresse e a depressão podem nos deixar mais descuidados de nossa higiene bucal e cuidado com a saúde oral. Tal negligência ainda pode ainda causar placas bacterianas, cáries, gengivite, sangramentos na escovação e surgimento de outras doenças.

O tabagismo e o consumo excessivo de álcool ou de tabaco são muito prejudiciais. Além de possível mau hálito e surgimento de bactérias, esses hábitos ainda podem desencadear problemas de saúde geral, com o câncer.

Outro ponto que precisa de observação é a mastigação. Você sabe se sua mordida está correta? Você come muito rápido ou tem dificuldades em mastigar? Fique de olho!

Essas maneiras de comer podem ser reflexos da sua primeira infância, e merecem uma investigação de hábitos dos seus primeiros anos de vida. Insegurança e ansiedade podem causar problemas de má oclusão, fala, mastigação e dicção.

Você já reparou se acorda com a mandíbula travada ou os dentes doloridos? Pode ser que você tenha bruxismo, uma condição que nos faz ranger ou apertar os dentes, especialmente durante o sono. As possíveis consequências são desgaste do esmalte dos dentes, problemas na articulação do maxilar e dores musculares na cabeça ou na coluna.

COMO CUIDAR MELHOR DA MINHA SAÚDE BUCAL?

Muitas vezes, a rotina nos impede de prestar atenção em nossa saúde oral. Mas tente seguir as dicas abaixo para se cuidar melhor:

– tenha uma alimentação saudável e equilibrada;

– pratique exercícios físicos;

– tenha momentos de lazer para relaxar;

– procure terapias;

– tenha seus hobbies, viagens e momentos de descontração;

– visite o dentista regularmente;

– mantenha a higiene bucal.

Confie nos especialistas em saúde e siga as orientações para manter a saúde da sua boca sempre perfeita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *